sexta-feira, abril 04, 2008

Amores Impossíveis em uma Tarde em Alcobaça.

Um dia de sol em Alcobaça. Um calor quase insuportável. Eu sentia dor no ombro e trazia um vazio no coração. Vivia uma relação dificil na época.
As dificuldades enfrentadas, as noites insones e as decepções davam o tamanho exato daquele amor construido de palavras e expectativas.
Sentia-me mal nesse dia. O calor, a bursite, a saudade e uma absurda tristeza me impediam de ser feliz naquela tarde, até chegar ao Mosteiro de Alcobaça. As grossas paredes da construção antiga deram conforto ao meu corpo que queimava. Uma sensação de frescor tomou conta da minha pele e eu já me sentia bem melhor.
Queria muito ver os túmulos de Dom Pedro I de Portugal e de Inês de Castro, a que foi coroada depois de ser assassinada, a mando do El Rei Afonso IV, pois o romance contrariava os interesses políticos. Sempre gostei da história de amor dos dois, que infelizmente terminou em tragédia. A Linda Inês, foi cantada por Camões e por outros poetas.
Bem, eu estava lá e fui visitar os túmulos. Não são de forma nenhuma exemplos de beleza estética, mas a disposição dos sarcófagos, um de frente para o outro, tem um belo significado: quando acordarem, no juízo final , estarão um de frente para o outro.
Fiquei comovida com o amor daquele monarca por sua amante, apesar de todas as tramas que a levaram à morte. O mais interessante é que não foi a dor que me tomou. O que tocou meu espirito foi a dimensão daquele amor, que apesar de triste deu-me esperança.
Fui lá na fonte, no pátio interior do Mosteiro, com toda essa fé e imbuída pelo amor joguei uma moeda e fiz meu pedido com fervor.
Aparentemente não fui atendida. Aquele amor acabou, dormiu ou morreu. Não sei bem. Só sei que meu homem não me amava como Pedro a Inês.
Mas não perdi a esperança e voltarei a entrar no mosteiro. Visitarei os dois e repetirei meu pedido

6 comentários:

Anônimo disse...

Oi Eve, bem escrito, lindo e emocionante, de uma sensibilidade ímpar. Só uma pessoa sensível como vc poderia ter escrito tão bem. Bjs. Jeane.

Evelyne Furtado disse...

Oi, Jeane!
Obrigada pela leitura e pelo elogio,rs. Valeu, mesmo!
Bjs

AnadoCastelo disse...

Oi que lindo. É pena que todos os amores não sejam assim. Mas temos de nos contentar com o que temos, vero?
Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Eu acho linda a história deles, Ana! Mas para a gente é melhor menos trágico, rsrsrs
Bjo

Graça Lopes disse...

..."o amor é o que de mais doce e de mais amargo existe"...Euripides

...nunca desanimar, mas Coimbra...do amor é a capital!...

Evelyne Furtado disse...

Obrigada pela contribuição, Graça!
Abraços.