domingo, outubro 14, 2007

Alma Fugidia.




Aonde vais a essa hora? Pergunto eu a minha alma, que sai de fininho, para não ser notada. Em vão. Eu não me desligo dela. Corpo e alma aqui juntinhos. Claro que ela faz suas viagens de vez em quando. Acontece que agora a mantenho na rédea curta. Meu coração é quem paga quando ela abusa nas escapadas. Sofre o corpo todo, em algumas situações. No fim, os músculos reclamam e as lágrimas rolam pela minha cara como se fosse chuva. Por isso hoje ela não sai. Fica aqui junto de mim, pois alma deve andar colada ao corpo. Nesses dias eu descuidei e ela saiu por caminhos orlados de flores, atraída pelos sentidos. Esbaldou-se em sonhos crus. O mel escorria pela boca. Os olhos brilhavam (os do meu corpo, claro). A promessa era farta e ela queria mais. Não teve aviso do corpo que a parasse, até que chegou a hora da verdade e ela voltou. Tive que juntar os caquinhos de alma, lavá-la com lágrimas cristalinas e sofridas, cuidar do coração e refazer os planos. Estamos bem. Podemos esperar dias melhores. A primavera começou e mesmo que aqui a gente não perceba muito, dá uma sensação de renovação. Estamos bem. Repito. Mas minha alma não sai daqui sem minha autorização. Nada de sonhar antecipadamente. Os sonhos estão sendo preparados. Na hora certa iremos juntas desfrutá-los. Por enquanto, não me faça mais chorar. Acalme-se aqui pertinho de mim. Cuidarei de você e do meu corpo para quando os sonhos estiverem prontinhos, a gente poder degusta-los.


Evelyne Furtado.

2 comentários:

Roberto Passos do Amaral Pereira disse...

Que sensibilidade! Parabéns!

Evelyne Furtado disse...

Obrigada, Roberto. Um abraço e volte sempre.