quarta-feira, agosto 20, 2008

Quando Entrar Setembro.




Agosto é um mês emblemático. Difícil e para muitos assustador. Superada as superstições, pois a gente lê, se instrui e reza para isso, ainda resta um vestígio de medo.

Mês de cachorro doido. Dizem por aí. Nunca vi, nem quero ver um cão raivoso na minha frente. Bastam-me outros seres irados.

Nossa história recente ainda vem contribuir com a má reputação do oitavo mês do ano. Quem freqüentou a escola aprendeu que o suicídio de Vargas e a renúncia de Jânio tiveram datas em agosto. Esse último fato deu inicio ao processo que culminou em tempos sombrios

Por outro ângulo, o primeiro fato histórico rendeu um romance primoroso de Rubem Fonseca, que por sua vez virou série de tv, das melhores.

Sei que por aqui, em Natal, uma das esquinas do Brasil, venta loucamente em agosto. O vento nesse mês é doido varrido. Varre o chão, o juízo e a saúde da gente.

Você sabe o que é freqüentar uma praia nessa época e levar uma surra de areia? Eu sei. O cenário é lindo. O mar, o céu e o sol estão lá, mas areia e vento a mil por hora também aparecem vez ou outra e a experiência é meio assustadora. Mas nem sempre ocorre. Fiquem tranqüilos.

A mim, como a outra poeta aqui do Recanto, coube-me, maus bocados. Os astros já haviam me avisado. O sol estaria em leão, meu signo oposto. Todo cuidado seria pouco. E assim foi. Digo foi, pois já estamos a dez dias do fim do mês e superei meus sustos.

O mais interessante é que o vento de agosto me fascina e eu faço coro com ele. Desse mês também guardo a tradução literal de The Teahouse of the August Moon, um filme com Marlon Brando, passado no Japão, que vi menina na TV, do qual não lembro quase nada, mas que para mim é o mais poético título do cinema. Nada superou na minha cabeça romântica ainda “Casa de Chá do Luar de Agosto".

Agosto tem má reputação, contudo não é assim como pintam e dei algumas pinceladas suaves nesse texto para ilustrar o que ora afirmo.

De qualquer forma, retornando ao calendário, cantarei com Beto Guedes a chegada da primavera. Setembro é um mês lindo e pleno de promessas boas. Que bons ventos nos tragam amor, saúde e sorte, poeta.


“Quando entrar setembro
E a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou
Juntos outra vez
Já sonhamos juntos
Semeando as canções ao vento”

Beto guedes e Ronaldo Bastos.


Evelyne Furtado, em 20 de agosto de 2008.

Texto nascido de uma troca de comentários com a poeta Silvia Regina.

2 comentários:

AnadoCastelo disse...

É engraçado que foi das primeiras coisas que eu soube quando aí estive na primeira vez. Que o mês de Agosto e Setembro eram muito ventosos. Afinal era mesmo o mês de Agosto.
Aqui também nos meses de verão venta muito, com as chamadas "nortadas", ou seja, quando o vento vem de norte.
Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Aninha, você viu como eles são desvairados? Mas não causam , graças a Deus, transtornos maiores, como nas Américas ao norte do Equador. Só nas almas da gente.
Beijos.