segunda-feira, maio 19, 2008

Gracias a La Vida.

Hoje fui à missa ao meio-dia. Não sou católica praticante. Sou daquelas que se impacienta diante do ritual, que paradoxalmente acho muito bonito. Não é nada contra a Igreja, trata-se de minha velha ansiedade e Deus há de me perdoar por isso.
Contudo hoje foi diferente. A missa fora marcada por Ângela e Élia, cunhada e prima, em Ação de Graças. A nossa união era o principal motivo para agradecer, embora um fato recente tenha sido o móbil do evento.
Cheguei tarde com Sylvinha, minha filha. Mamãe, tios, irmãos, primos e sobrinhos já estavam lá. Os sobrinhos inquietos, claro, porém me concentrei no sermão.
Busquei e encontrei as bênçãos Divinas. Comunguei e agradeci em comunhão com Jesus o momento que vivemos.
Prometi e me empenharei sempre pela união dessa família que meus avós fundaram, incutindo o valor da amizade em todos nós, através dos gestos amorosos como nos recebiam e nos tratavam.
Depois do sagrado, fomos ao profano. E formamos a mesa mais animada na Sal e Brasa. Como sempre os Barros em farra. Bebendo ou não, fazemos farras.
Brindes bem ao modo de vovô Luis, o velho boêmio e mesa farta à moda de Vovó Élia. A alegria trazemos do berço. E o carinho flui como aprendemos.
Naquela mesa, chefiada por mamãe, faltavam muitos que amamos, mas estavam todos eles nos nossos sorrisos, abraços, beijos e gargalhadas.
Estavam, principalmente, nessa vontade intensa de nos mantermos juntos, comemorando sempre!

Eveline Furtado, domingo, 18 de maio de 2008.
****************************************************


Gracias A La Vida
Composição: Violeta Parra

Gracias a la vida, que me ha dado tanto
Me dió dos luceros que cuando los abro
Perfecto distingo lo negro del blanco
Y en alto cielo su fondo estrellado
Y en las multitudes el hombre que yo amo
Gracias a la vida, que me ha dado tanto
Me ha dado el oído, que en todo su ancho
Traba noche y dia grillos y canarios
Martirios, turbinas, ladridos, chubascos
Y la voz tan tierna de mi bien amado
Gracias a la vida, que me ha dado tanto
Me ha dado el sonido y el abecedario
Con él las palabras que pienso y declaro
Madre, amigo, hermano y luz alumbrando
La ruta del alma del que estoy amando
Gracias a la vida,que me ha dado tanto
Me ha dado la marcha de mis pies cansados
Con ellos anduve ciudades y charcos
Playas y desiertos, montañas y llanos
Y la casa tuya, tu calle y tu patio
Gracias a la vida, que me ha dado tanto
Me dió el corazón que agita su marco
Cuando miro el fruto del cerebro humano
Cuando miro el bueno tan lejos del malo
Cuando miro el fondo de tus ojos claros
Gracias a la vida, que me ha dado tanto
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto
Así yo distingo dicha de quebranto
Los dos materiales que forman mi canto
Y el canto de ustedes que es el mismo canto
Y el canto de todos que es mi propio canto
Gracias a la vida

Evelyne Furtado
Publicado no Recanto das

3 comentários:

AnadoCastelo disse...

A canção é muito bonita, mas não faz muito o meu estilo.
Beijinhos

AnadoCastelo disse...

Oi querida, me desculpe mas só depois de ouvir a canção é que li o post inteiro e fiquei envergonhada por não ter lido tudo de uma vez.
Que bonito a família reunida. Que bom. A minha vai ficando pequena, apesar de ser grande, mas como a família está muito dispersa a maior parte já não se conhece.
Beijinhos querida e continue com sua família assim

Evelyne Furtado disse...

Oi, Aninha!
Vc sempre é perdoada. Gosto não se discute. Eu adoro Mercedez Sosa, cantora argentina e a letra da poeta chilena Violeta Parra.
Minha família é feliz apesar das perdas, por isso canto Gracias a La Vida!
Beijos, muitos.