quinta-feira, outubro 25, 2007

A Menina e a Mulher Moram Aqui.



Há dias que acordo menina. Não quero deixar os lençóis macios, nem os sonhos bons. A vida lá fora não me atrai. Melhor deixar que os adultos tomem conta, pois essa menina aqui, quer ficar quietinha com seus devaneios felizes. Quem sabe, não adormeço de novo e sonho com meu príncipe?Como menina sou frágil e indefesa, sinto-me abatida na caça. Acho que o que fazem comigo é para me magoar. Choro, mas é um choro abafado, pois a mulher ainda comanda a menina. Procuro colo, como uma criança faz e graças a Deus acho. São os anjos que me querem tanto bem que já não se impressionam com meu choro, contudo se preocupam com a minha dor. Sento no colo dos seres que Deus mandou para me ajudar e fico ouvindo tudo de bom que eles têm para me dizer.Ah, eles enchem a bola dessa menina-mulher, mas também se acham no direito de me repreender. E só a eles eu ouço. Eles também não me deixam sem companhia, me levam a rir e a tentar ver a vida com olhos esperançosos de mulher.Depois do pranto infantil, a mulher toma seu posto. A dor continua, mas ela já sabe andar só. Sabe que tem que levantar e curar suas dores; tratar de sua vida. Então, levanta e vai trabalhar. É preciso. A mulher se renova. Volta à academia. E reza. Cuida do corpo e da alma. Tropeça vez ou outra (é a menina andando nos saltos altos da mulher). Porém a mulher já caiu outras vezes e aprendeu a levantar, apesar da dor que não cessa.De vez em quando a menina se encolhe e chora. Seu analista diz que é assim mesmo. Diz que ela tem todas as armas da mulher, mas que não aprendeu a usá-las. Todavia, insiste o terapeuta, é necessário agir como mulher e prosseguir.Essa menina mora em mim, mulher madura. E apesar da idade ainda não aprendeu que a vida não é tão bonita como nos filmes de amor, mas a cada dia ela se sente mais mulher e com mais vontade de ser feliz.Evelyne Furtado, 15 de outubro de 2007.

5 comentários:

Capitão-Mor disse...

Também adorei este seu cantinho! :)

Evelyne Furtado disse...

Oba! Volte sempre!
Abraços

Berta Helena disse...

Pois é, também me apetece a mim, tantas vezes ser apenas a menina. mas a vida não deixa.
Gostei do seu post.

Beijinhos

Berta Helena disse...

Pois é, também me apetece a mim, tantas vezes ser apenas a menina. mas a vida não deixa.
Gostei do seu post.

Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Oi, Bertha!
Obrigada pela visita e pelo comentário. Um abraço e uma ótima semana.