domingo, setembro 14, 2008

Humanidade.


Faltam-me asas
Sobra-me humanidade
Lágrimas, ira, sonhos, mágoas
E um tanto de coragem
Que a alguns carece
Para assinar o que digo
Penso, sinto, trato.

3 comentários:

Celamar Maione disse...

Ah se eu tivesse asas...
Essa coisa de blog é bem interessante, né , Evelyne ?
Vamos nos visitando...e vem
outras visitas e vamos conhecendo
pessoas que gostam da mesma coisa : Escrever e poetar.
Arrisco tb umas poesias.

Evelyne Furtado disse...

Eu vi e gostei dos seus poemas, Celamar. Gosto da blogsfera também.
Também queria asas,rs. Não as tenho, mas uso as que posso. Estava viajando e cheguei hoje.
Beijão e obrigada amiga!

AnadoCastelo disse...

Quem me dera também ter asas.
Lindo poema.
Jokinhas