sexta-feira, maio 09, 2008

Como Chego a Shangri Lá


No âmago de todos nós há um oásis que refrigera corpo e alma. No auge da aflição devemos manter a calma e tentar encontrá-lo, mas não esperemos palmeiras ou lagos. Esse espaço dispensa qualquer configuração. Ele é nada. Ele é Tudo. Ele não se explica. Ele nos liga à essência, pois é nossa comunicação com Deus.
Cada um tem uma maneira de chegar lá. E por experiência própria garanto que não é fácil, mas vale à pena tentar. Não tenho o mapa. Não sou guru. Nem religiosa praticante. Sou mística e creio em Deus. Só isso. E isso é tudo nessas horas.
Nem sempre consigo, mas sei que a minha maneira de chegar ao meu Shangri Lá é ir lidando com os sentimentos negativos até entendê-los e perdoar. Perdoar a mim e a quem me provocou. Depois me nutrir de bons pensamentos, me ligar a pessoas legais e fazer boas ações, como os escoteiros mirins, lembram?
Ouvir boas músicas é uma boa. Não precisa ser música erudita. Muito menos "new age" (ai). Ouço o que gosto e principalmente as que conheço as letras e canto junto nas alturas. Se ainda sentir uma certa melancolia, aproveito para ver um filme triste e choro até soluçar.
Como não sou de ferro depois procuro fazer algo bem prazeroso: que pode ser uma volta na praia - tenho uma amiga que sai de uma ponta à outra da cidade para passar na ponte nova e eu adoro ir com ela. Mas também posso ir só. Olhar o mar é meio caminho andado para o paraíso.
Posso conversar e rir com gente querida. Abraçar bem muito minha filha. Trocar idéias com minha mãe e irmãos. Rir com os sobrinhos.
Ler, ler, ler...
Ah, amar muito e da melhor forma possível. Namorar é um dos rituais que mais nos aproxima de lá, desde que os sentimentos sejam bons e verdadeiros.
Ah, mas não preciso fazer tudo isso, porém, mesmo que faça,quando chego em casa acendo velas coloridas e faço preces para mim, para quem amo e para alguém que esteja precisando de oração e nem me pediu.
Ao me deitar, meu coração estará lá. E eu estarei em paz comigo, com o mundo e com Deus.

Evelyne Furtado
Publicado no Recanto das Letras em 08/05/2008
Código do texto: T981327

2 comentários:

AnadoCastelo disse...

Oi querida,
já me deu aqui umas boas dicas, por exemplo: essa de ver um filme triste.
Também temos algumas coisas em comum, o facto de gostarmos de ler, de acreditarmos em Deus e não sermos católicas praticantes.
Gostei muito deste seu texto revela um pouco de si.
Beijinhos

Evelyne Furtado disse...

Oi, Aninha!
Revela muito de mim, kkkkk.
Faço isso mesmo, vez por outra. Mas não repito sempre o ritual, mudo de acordo com o que me pede o coração e chego lá, nesse cantinho que me liga a Deus.
Obrigada e beijos!