quinta-feira, setembro 06, 2007

DE VOLTA AO BALANÇO.



Volto ao balanço
Conto e reconto
Perdas e ganhos.

Superei desilusões,
com outras ilusões.

Amei e desamei
e mais uma vez amei.

Chorei, senti
Num processo de cura
Sarei, cresci.

Guardo hoje um amor- esperança,
Como se guardasse um tesouro,
Mais raro e mais valioso que ouro.


Evelyne Furtado

2 comentários:

cm disse...

....abraçar o sonho até que seja corpo, mesmo quando a a balança do quotidiano pende para o lado cinza...

Evelyne Furtado disse...

Adorei! Obrigada e um abraço. Não largarei os meus sonhos.