domingo, janeiro 14, 2007

Outro Verão.


Meio-dia. Domingo de sol em janeiro. Verão em cor e calor e eu aqui escrevendo.Como mudou o meu verão! Não, não foi verão que mudou. Eu mudei e não percebo da mesma forma que ontem a estação, que tem cheiro das mangabas da minha infância, colhida nos morros ou vendidas por uma senhora, que usava latas como medida. Ah, o verão tem os sabores das melhores frutas.Mangas que lambuzavam meu rosto.Sirigüelas sorvidas com voracidade até os dentes adormecerem.Cajus.Cerveja gelada: a única bebida compatível com nosso verão. Peixe frito com tapioca.Delícia!Show de luminosidade, o azul sem nuvens no céu.Mar que abraça refrescando. Pele dourada pelo sol. Por vezes avermelhada, ardendo.Tecidos coloridos. Pouca roupa.Casa de praia cheia de gente. Longas caminhadas à beira-mar. Quantas vezes as queimaduras causadas pelo excesso de exposição ao sol me incomodaram? Não lembro e não importa. Importa é que não agüento mais me expor assim ao sol. E não me incomoda mais a pele branca.Acostumei e até gosto. Não significa que não vá me bronzear nunca mais, apenas não me sinto doente se não estou com a cor do verão.Uso toda proteção possível quando vou à praia: boné, FPS 30 para o rosto e 20 para o corpo. Litros de hidratantes depois, e aí fico desmanchando com o calor. Sem falar no rosto que brilha, em razão da pele oleosa. Mas, deixa para lá , pois não quero elencar os incômodos como a repeti-los.Comemoro a nova face do verão.Passei por um etapa em que simplesmente não aceitava as mudanças que ocorriam em mim e culpava o verão.Não agüentava os apelos externos para saúda-lo. Como se só existíssemos, fizéssemos sexo e fossemos felizes no verão. Odiava o que a mim parecia uma obrigação.Hoje tenho consciência que o verão não mudou, graças a Deus! Eu vivo outra fase e se agora meus refúgios preferidos na estação são os shoppings climatizados, ainda gosto do barulho e do ir e vir das ondas do mar, da brisa nos terraços das casas de praia, de cerveja gelada e dos sabores próprios do verão.Tenho mais vida interior hoje e estou fazendo as pazes com o verão. Vivo-o de acordo com meu mundo e o mar está a dois passos de mim.Qualquer hora mato a saudade do verão, que aqui dura o ano inteiro e não apenas uma estação.
Evelyne Furtado.
14 de janeiro de 2007.

2 comentários:

Anônimo disse...

fim de tarde de um verão recente: uma linda mulher sonhando o sonho de sonhar o mundo, sempre ao lado do homem que sempre sonhou com ela. Sonhar é mudar ou, no mínimo transformar o presente e os verões vindouros. Narração simples e convidativa; imagens que vem e vão; costumes prazerosos de uma vida onde as coisas boas são naturais.

Evelyne Furtado disse...

Adoro seus comentários "anonymus"(rs) Sonhar é um começo, não é?